Agrupamento de Escolas de Albergaria-A-Velha

Segurança

2015/2016

SEGURANÇA ESCOLAR

O Plano de Emergência, por mais bem concebido e elaborado que seja, perde todo o seu interesse se, de acordo com ele, não forem realizados exercícios práticos destinados a verificar periodicamente a sua operacionalidade e a rotinar procedimentos (S.N.P.C., 1999).
O presente documento pretende conter todas as informações consideradas fundamentais para a realização dos ensaios de emergência e para as simulações que decorrerão durante o ano letivo em curso.
Assim, para que a evacuação de emergência decorra conforme o previsto no seu Plano de Emergência, importa desde já dominar alguns pressupostos de assinalável importância:
1. O professor que ao toque de alarme se encontrar a lecionar, deverá mandar evacuar todos os alunos da sala de aula e orientá-los, com o auxiliar de evacuação (chefe de fila – Delegado de Turma) em direção ao ponto de encontro que se situa no campo de jogos em frente ao pavilhão desportivo.
2. Ao ouvir o toque de alarme, o sinaleiro (Assistente Operacional) dirige-se para o ponto que lhe diz respeito, que está assinalado na planta de emergência do seu pavilhão.
3. Em data e hora a determinar pelo Sr. Diretor do Agrupamento, será dado o “alarme” (a campainha tocará, em vez do toque contínuo, 3 toques breves seguidos de uma pausa. Esta sequência continuará até que toda a população esteja evacuada).
4. A coordenação da evacuação da turma é feita pelo professor (Cerra-Fila) e por um aluno (Delegado de Turma) nomeado para o efeito e designado chefe de fila (auxiliar de evacuação), que segue à frente da turma. O professor é o último a sair da sala, de forma a certificar-se de que não fica ninguém para trás, socorrendo algum aluno que necessite.
5. Ao ser determinada a evacuação das pessoas, estas não devem deter-se por qualquer material, seguindo o percurso sem voltar atrás.
6. Os alunos devem sair da sala em fila indiana, sem corridas mas em passo apressado, seguindo as instruções dos coordenadores de evacuação e dos “sinaleiros”, sem parar, até ao “ponto de encontro”.
7. Durante o percurso de evacuação, encontrarão “pontos críticos” (lugares de confluência, entroncamentos, etc.). Nestes pontos serão colocados “sinaleiros” cuja função é estabelecer prioridades, manter as saídas desobstruídas e ajudar na evacuação de alguém que tenha necessidades acrescidas.
8. Depois de concluída a evacuação de cada pavilhão, os respetivos Assistentes Operacionais certificam-se de que não ficou ninguém nos WC’s, eventuais gabinetes, etc. e dirigem-se também para o ponto de encontro, agrupando-se em coluna paralela aos alunos.
9. O regresso à normalidade é determinado pelo Sr. Diretor do Agrupamento ou por um seu representante, que informará pelos meios que considere convenientes.

Aqui ficam alguns documentos que devem ser consultados por todos para facilitar a atuação durante uma qualquer emergência.

ESAAV

EBAAV

EBSJL